A natureza que atravessa o meu caminho

Uma das coisas que mais me deixam contente no meu dia a dia é encontrar a natureza que margeia o meu caminho.
Todos os dias, saio de casa e olho para a lua que se despede de mais um dia de trabalho e dá um aperto de mão no sol, pronto para iluminar o dia em recomeço. Desde esse momento, a sensação calorosa no meu coração explode, pois tenho a certeza de que a natureza se abrirá para os meus olhos ao longo do dia. E isso se faz verdade toda semana.
No caminho até a minha universidade, olho pela janela do transporte publico abarrotado da capital de São Paulo e não vejo a poluição, não vejo os problemas de mobilidade, não vejo o cinza do concreto reinante mais. Vejo os raios solares apontando no horizonte, ouço o som longínquo de algum pássaro bravo que sobrevive em uma selva diferente, vejo as nuvens se transformando em formas que apenas nossa imaginação consegue distinguir.
Então, chego ao meu destino e, ah, não há palavras na flor mais jovem do lácio que sejam capazes de descrever a incrível sensação que eu tenho com a natureza que ambienta a minha universidade!
Existem árvores de diferentes tipos que sombreiam o caminho. Dentre elas, árvores que dão flores multicoloridas, árvores gigantes que possuem raízes sobressalentes, árvores pequeninas que servem para passarmos a mão e sentirmos minúsculas folhinhas roçando nossa pele. As que gosto mais são os pinheiros que enchem o solo com tapetes espinhosos de pinhas. Trago para a minha casa essas pequenas lembranças que os pinheiros emitem, pinhas de vários tamanhos, que envernizo e enfeito a minha estante, tornando o meu quarto mais aconchegante.
As flores, fotogênicas flores, colorem os dias que parecem cinzentos com o ar da manhã. Além de modelarem perfeitamente para a minha câmera, atraem para o ambiente universitário insetos polinizadores que enchem o ar com sons maravilhosos.
Não só existem insetos pelo meu caminho, não. Há animais por lá, pássaros, mamíferos e répteis. Existem capivaras perto do lago que corta o campus. Existem lagartos que arrepiam os transeuntes desavisados que correm para almoçar antes do meio dia. Existem pássaros, mil e um pássaros, que moram nas árvores e encantam com seus cantos diversos. Os pássaros, unidos, fogem também do predador gavião que plaina acima das copas.
O chão é rico em natureza. Flores, folhas secas, folhas recém caídas das árvores, formigas, besouros, frutas maduras. Piso e me sinto bem. Piso e me sinto em contato com um ambiente tão distinto do que se esperava encontrar em São Paulo. Piso, piso, piso.
Olho para cima e o sol aquece o meu rosto. É uma sensação maravilhosa.
A natureza que atravessa o meu caminho.

Comentários

  1. Lindo, lindo, lindo, Bru! Você tem um poder sobre as palavras que faz o meu coração suspirar.
    Amei :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, miss Mel, o seu comentário me abalou positivamente de uma forma linda. Muito obrigada por elogiar a minha maneira de escrever, sério :)
      Enquanto você tem uma sensibilidade fotográfica terna, os meus textos são a minha habilidade maior.
      Quem sabe eu não faço um texto especial pro Twee (hahaha)?
      Beijos açucarados.

      Excluir
  2. Quem me dera conseguir utilizar as palavras dessa maneira. Admiro muito essa capacidade em você. Seus textos são ótimos ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, miss Caroline, eu estava esperando a tempos por um comentário seu em meu Jardim. Obrigada pelo elogio, realmente fico contente ao ouvir as pessoas dizendo que eu escrevo bem, me motiva mais e mais a continuar com os meus trabalhos.
      Beijos açucarados, espero te ver mais por aqui!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas