O Jardim Secreto, Frances Hodgson Burnett

SINOPSE
Adaptado para a TV e cinema, O Jardim Secreto vendeu milhões de exemplares por todo o mundo desde sua primeira edição em 1911. Considerado um dos mais importantes livros infantojuvenis do século XX pela National Education Association, a obra está entre os 100 livros mais indicados por professores em língua inglesa. O Jardim Secreto conta a história de Mary Lennox, uma menina mimada e arrogante. A típica criança que provavelmente você não convidaria para a sua festa de aniversário ou não sentaria ao lado dela na sala de aula. Depois de perder os seus pais ainda muito nova, ela é enviada à Inglaterra para viver com seu tio. Mal sabe que essa mudança irá transformar a ela e todos a sua volta por completo. O Jardim Secreto é um livro maravilhoso sobre amizade, afeto, cura e transformação. Mágico e envolvente. Uma leitura carregada de lições que guardaremos por toda a vida. Um livro que une gerações. Desvende com Mary e seus amigos o mistério desse Jardim."
-----------------------------------------------------------------------------------------------                                  
Bonjour, mes amis!
Essa é a primeira resenha que eu faço para o blog e creio que não poderia começar melhor, pois falarei o que eu senti ao ler o maravilhoso (e eternamente recomendado aos jovens nas escolas) O Jardim Secreto da escritora britânica Frances Hodgson Burnett.
Há muito tempo eu procurava ler livros com mensagens positivas, do bem mesmo. Essa vontade se iniciou após eu ler Uma Constelação de Fenômenos Vitais, de Anthony Marra, e se estendeu ao longo da minha releitura de Pollyanna, de Eleanor H. Porter, porque, apesar de eu ler muito (mesmo), os meus livros circulavam no arco aventura/policial  e eu estava me cansando um pouco da marcada Jornada do Herói que esses livros possuíam. Então, eu pesquisei por livros diferentes e encontrei os que falei acima, o que me deixou muito contente e motivada para compra-los.
No caso de O Jardim Secreto, eu o descobri na internet por meio dos blogs (que também me inspiraram a criar o La Petite Souris) e adorei a sua conexão com o ambiente florido dos jardins que tanto amo e o mote de regeneração do livro. Não via a hora de tê-lo em mãos! Fui com a minha mãe ao shopping e perguntei se na livraria havia a obra tão desejada, conquistando-a quando o moço disse: OLHA! Tem essa versão do livro que é um pouco mais barata, você quer?
A minha primeira impressão foi de encantamento pela estética do livro: as ilustrações de Tasha Tudor são lindas! O seu traço vaporizado combina com a aura mágica do universo particular do livro, mimetizando o ar das charnecas inglesas em que a mansão se localiza. Os desenhos do pisco ficaram muito fofinhos e eu consegui notar a diferença entre a Mary do início para a do fim apenas pelo modo do desenho que mrs. Tudor fez.
Sobre a história, eu gostei muito de como mrs. Burnett desenvolveu a personagem da Mary Lennox, pois fica claro que o seu caráter deriva da maneira indiferente a que os seus pais a tratavam, porém ela é uma criança e tem toda a chance de se tornar uma boa pessoa, independente de seu jeitos iniciais. A senhorita Mary ganhou a minha empatia e eu torci por ela em todos os momentos do livro, desde ela ser vista como uma boa menina pela mãe do Dickon até ela mudar a arrogância de seu primo, Colin. Ela é uma boa heroína, típica dos livros escritos nessa época, não ficando atrás da eterna Pollyanna e da um pouco menos conhecida Heidi, personagem de Johanna Spyri.
O meu personagem favorito é o Dickon, com toda a certeza, pois gosto da sua bondade e carinho para com a natureza, um carinho orgânico e visceral, algo difícil de encontrarmos hoje em dia, mesmo entre aqueles que defendem as causas ambientais.
E o Jardim? Podemos defini-lo como um personagem principal ao lado de Mary, já que sinto-o como um organismo vivo no espaço-tempo do livro, algo parecido com O Cortiço de Aluisio Azevedo e a Terra do Nunca de Gail Carson Levine. Ele se regenera juntamente com miss Lennox, posso até dizer que o Jardim nada mais é do que a representação do coração/alma de Mary: no inicio, havia rosas bonitas, porém selvagens, e que foram podadas aos poucos. Ainda foram introduzidas novas flores, a gentileza, o reconhecimento do próximo e a gratidão. No fim, ambos vistosos, vivos, saudáveis e aconchegantes. O ar da charneca restaurou aos dois.
Sobre o filme, feito em 1993, eu o assisti pelo Netflix logo quando o baixei em casa. Apesar de o roteiro possuir pontos diferentes ao livro, recomendo o filme sim, pois ele é bom, não como adaptação, mas como filme. A atuação das personagens, o cenário, a participação da (diva, chuchu, maravilhosa) Maggie Smith dá um toque tão inglês ao longa-metragem e isso foi um ponto muito bom,  que vale a pena assisti-lo.
A animação, não. Ela é bonitinha, mas, não gostei muito...
Enfim, O Jardim Secreto é um livro genuíno! Ele é delicado, sensível e nos faz repensar sobre o modo como julgamos o comportamento das pessoas antes de as criticar por isso. Também nos faz crer em um mundo melhor, pois todas as pessoas, com força e amor, podem mudar para o bem. Agora entendo o porquê de ele ser recomendado sempre às crianças em início de formação de caráter, porém, acho que todos devem lê-lo sem restrições. É um livro que dá quentinho no coração e só isso já vale muito.
Beijos açucarados.

Comentários

  1. Amei sua resenha Bruninha,me dá ainda mais vontade de ler. Gostei muito da ideia de ter uma personagem tão diferente do meu estilo,e com certeza vou ler :D
    Obrigada pela indicação <3
    Beijos ^.^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, miss Jennifer! Eu é que agradeço pelo seu comentário :)
      Leia O Jardim Secreto e depois faça uma resenha linda em seu blog para mim, ok?
      Beijos açucarados ♡

      Excluir
  2. Olá Bruna,
    Adorei sua resenha, li esse livro há pouco tempo, assisti o filme tem muitos anos e de vez em quando o estou assistindo novamente, o livro é tão encantador, eu amei ver a Mary se tornando uma pessoinha melhor no decorrer da história, amava as partes que era descrito o Jardim Secreto <3 É um dos livros para guardar no coração a vida toda, um clássico que toda criança deveria ler.

    Abraços,
    pile of roses

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, miss Bia ♡
      Obrigada pelo carinho do seu comentário! Com toda a certeza do mundo eu guardarei esse livro em meu coração para sempre e o lerei para meus filhos quando os tiver.
      Adoro o seu blog! Beijos açucarados☆

      Excluir
  3. Oi Bru ,eu tenho esse mesmo livro e amo muito.Gostaria de saber se tens instagram ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, miss Dallete!
      Meu instagram é @brunadisero ♡
      Obrigada pelo comentário! Beijos açucarados.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas